Notícias

AAVT defende um novo modelo para o turismo cabo-verdiano no pós-Covid19


24 Set 2020 Turismo

Associação das Agências de Viagem e Turismo (AAVT) defende que o modelo de exploração turística em Cabo Verde deve ser repensado para ser sustentável, adequado à realidade do país e consentâneo com as necessidades do desenvolvimento nacional.

Aquela organização, pela voz do Presidente do seu Conselho Fiscal (PCF), Edmilson Mendonça, critica no actual modelo, a “excessiva concentração da oferta turística nas Ilhas de Boa Vista e Sal, a fraca diversidade do mercado emissor e a escassez de esforços e de investimentos na qualificação do destino”.


 Trata-se de um diagnóstico já bem conhecido de todos, e há muitos anos, mas a análise ganha actualidade e outra profundidade no presente momento, em que o turismo, que é o sector que mais contribui para o Produto Interno Bruto (PIB) de Cabo Verde, se revela também como a actividade económica que mais sofreu e sofre com a pandemia de Covid19, que obrigou ao fecho das fronteiras e à proibição das ligações aéreas.


 “É ver até que ponto, em termos económicos, este modelo de exploração turística contribui para o desenvolvimento de Cabo Verde e se é sustentável a médio e a longo prazos, é tentar saber qual é o impacto social nas populações e na sociedade, identificar os problemas e resolvê-los, e ainda prevenir os impactos ambientais”, sugere Edmilson Mendonça à atenção das autoridades do país.

 

O PCF da AATV defende que, sejam quais forem as soluções que vierem a ser adoptadas, o certo é que a formação terá de ser uma das apostas para as desejadas mudanças. E aponta como áreas prioritárias de formação o marketing digital, a definição e gestão de ofertas turísticas, a digitalização da gestão dos serviços oferecidos pelos operadores e as vendas online.

 

Desde o início da pandemia de Covid19, as receitas das agências de viagem e outros operadores turísticos diminuíram mais de 80 porcento, segundo Edmilson Mendonça, e muitas empresas tiveram de diminuir drasticamente a sua actividade e outras foram, mesmo, obrigadas a fechar as portas.

 

Fonte: RCV/Emerson Pimentel

Edição Digital: Orlando Rodrigues

Comentários

Pesquisar