Notícias

Aplicativo Na Nos Mon quer estar à frente do novo coronavírus e ajudar no seu combate

  • Entenda como funciona a APP
  • Entenda como funciona a APP
  • Helio Africano, um dos promotores do
03 Jun 2020 Sociedade

Com o aplicativo instalado no telemóvel, as pessoas podem receber uma notificação a alertar que estiveram perto de alguém infetado com covid-19.  Mas, nunca saberão como, onde e quando.

Um grupo de cidadãos e técnicos nacionais ligados às Novas Tecnologias de Comunicação e Informação está a adaptar um aplicativo a que denominam “Na Nós Mon” com vista a ajudar Cabo Verde a dar combate a pandemia da covid-19.

Basicamente, o Aplicativo funciona da seguinte forma:

Quando uma pessoa fica a saber que está infectada, as autoridades de saúde fornecem um código ao indivíduo  para que ele opte ou não  por colocá-lo nesse Aplicativo previamente instalado no seu telemóvel.

Com isso, todas as pessoas com quem estevea menos de um metro de distância, recebem uma notificação a informar que estiveram perto de alguém que já deu positivo para o novo coronavírus. Mas, ninguém fica a saber quem é essa pessoa infectada, nem onde nem quando se deu esse contacto. Desta forma, o contactante pode optar  por ficar de quarentena, ou ir fazer um teste.

Em entrevista à RCV, o engenheiro Helio Africano Varela, um dos mentores da iniciativa, pormenorizou os meandros da APP "Na Nos Mon" que, conforme explicou, vai contribuir para acelerar o processo de rastreio.

“Estamos a fazer a digitalização do rastreio. Hoje, quando alguém fica infectado com a covid-19, há um conjunto de pessoas que, manualmente, tentam perceber com quem a pessoa esteve nos últimos tempos. E a partir daí, conseguir identificar pessoas que possam estar contagiadas e promover algum distanciamento desses indivíduos para não infectarem os restantes. Ao fim e ao cabo, este aplicativo permite fazer isto de forma automática, muito mais rápida e a preservar muito mais a confidencialidade do cidadão.  É um aplicativo que não regista nada a nível central, depende completamente da acção voluntária e anónima do cidadão e, com a tecnologia, consegue-se ser muito mais eficaz e muito mais rápido no combate. Neste momento em que estamos a tentar sair do confinamento, há espaço para o vírus poder andar muito mais depressa. Este aplicativo permite andar à frente do vírus e não atrás.”

Na entrevista concedida ao programa “Bom Dia Cabo Verde” da RCV, o engenheiro informático explicou ainda que o contributo dos cidadãos vai ser decisivo para o sucesso desse aplicativo.

Ou seja, se toda a gente que tenha um telemovel instalar esse aplicativo e mantiver o bluetooth sempre ligado, consegue-se, rapidamente, sempre que houver um novo infectado, informar com quem a pessoa conviveu, de forma automática e anónima.

Pode acompanhar, na íntegra, a entrevista do engenheiro Helio Africano Varela  aqui: http://www.rcv.cv/index.php?paginas=9&id_cod=13976


Benvindo Neves c/ Anatólio Lima, RCV



Relacionados

Comentários

Pesquisar