Notícias

Meliantes entraram na Igreja de Nossa Senhora da Graça mas nada levaram


Igreja de Nossa Senhora da Graça, Cidade da Praia
01 Jun 2020 Sociedade

O assaltante, ou assaltantes, entrou por uma das portas laterais, revolveu tudo mas não há sinais de profanação.

A porta da Igreja de Nossa Senhora da Graça, na Praia, foi forçada entre a noite de sábado e a madrugada deste domingo. O Sacrário foi aberto, as gavetas remexidas, mas segundo o Padre Ima, não há sinais de profanação.

“Eu cheguei às 08h30 e, abrindo a porta lateral, vi sinais de que alguém entrou antes. Portas abertas, o sacrário com as chaves, que não é o lugar das chaves, imediatamente chamei a Polícia Nacional e a Polícia Judiciária, comuniquei ao Senhor Bispo, vieram, entrámos. Alguém com muito tempo, revolveu, mexeu e remexeu em tudo, mas nós não temos dinheiro, não temos coisas de valor, só coisas de liturgia e a pessoa não levou. Não há sinal de profanação e isso é estranho.”

Os responsáveis da Igreja de Nossa Senhora da Graça estranham este ato que já está a ser investigado pela Polícia Judiciária. É que, como conta o Padre Ima, nada foi levado. Mas, ainda assim, considera grave este ato cometido por alguém que, em seu entender, precisa urgentemente de ajuda.

“É grave alguém entrar na igreja e mexer no espaço mais sagrado que é o sacrário, a troco de quê? Isto denota um desequilíbrio total da pessoa. Só a força do diabo faz isso, eu sinto pena dessa pessoa. É preciso ajudar a pessoa a organizar a vida porque o demónio quando se apodera assim da pessoa é mais difícil. É procurar a pessoa e ajudá-la a recuperar, porque uma pessoa de bom senso, de bom tino não faz isso.”

 A porta da Igreja de Nossa Senhora da Graça, na Praia, foi forçada neste domingo em que as igrejas retomaram as celebrações com a participação de um terço dos fiéis.

Depois de pôr as autoridades policiais a par do acontecimento, foi celebrada a missa com a presença bastante razoável de fiéis que há praticamente 2 meses não frequentavam a igreja por causa das restrições e dos Estados de Emergência resultantes da pandemia da covid-19.

Hermen Alfredo, RCV/Praia
Editado por Benvindo Neves



Relacionados

Comentários

Pesquisar