Notícias

Governador do BCV considera que o sector do micro-crédito tem de crescer em bases sustentáveis


30 Jul 2018 Economia

O Governador do Banco de Cabo Verde considerou hoje, na Cidade da Praia, que o sector do microcrédito tem de crescer em bases sustentáveis.

João Serra entende que as instituições de microcrédito deverão ser financeiramente sólidas e autossuficientes. João Serra presidiu hoje, na Cidade da Praia, a abertura do Primeiro Fórum sobre Microfinanças, uma actividade que foi acompanhada pelo jornalista Nélio dos Santos.

O Governador do Banco de Cabo Verde disse na abertura do Primeiro Fórum sobre Microfinanças que, para que o sector do microcrédito melhore e perdure, é necessário que as suas instituições sejam correctamente geridas, sem incentivos perversos e sem a dependência eterna de financiamentos a fundo perdido.

Dados mais recentes apontam que em 2015 existiam em Cabo Vede cerca 180 mil pessoas em situação de pobreza, correspondendo a aproximadamente 35 por cento do total da população.
As micro, pequenas e médias empresas são dos sectores empresariais que mais contribuem para o emprego e geração de rendimento para as famílias.

O fórum é uma iniciativa do Banco de Cabo Verde em parceria com a Associação Profissional das Instituições de Microfinanças de Cabo Verde (APIMF-CV) de que é presidente Jacinto Santos. Segundo Jacinto Santos, em 2009 realizaram-se 52 mil operações, totalizando mais de três milhões de escudos com 8.481 clientes activos (75 por cento mulheres) e uma carteira activa de 442 milhões de escudos.

O objectivo do fórum é dinamizar o debate em torno da recente Lei de Microfinanças, dos Decretos-leis e criar um ambiente favorável ao desenvolvimento do sector, tendo em vista o processo de transformação e profissionalização das instituições de microfinanças, destacou o coordenador do Gabinete de Microfinanças do Banco de Cabo Verde, João Fidalgo,

João Fidalgo diz acreditar que a nova Lei de Microfinanças vai trazer sustentabilidade no sector. Ao abrigo da legislação passada, havia 13 instituições de microfinanças inscritas no Banco de Cabo Verde

Nélio dos Santos-RCV
Disponibilizado online por Cláudia Livramento



Relacionados

Comentários

Publicidade